Uma após uma as ondas apressadas
Enrolam o seu verde movimento
E chiam a alva 'spuma
No moreno das praias.
Uma após uma as nuvens vagarosas
Rasgam o seu redondo movimento
E o sol aquece o 'spaço
Do ar entre as nuvens 'scassas.
Indiferente a mim e eu a ela,
A natureza deste dia calmo
Furta pouco ao meu senso
De se esvair o tempo.
Só uma vaga pena inconsequente
Pára um momento à porta da minha alma
E após fitar-me um pouco
Passa, a sorrir de nada.

Ricardo Reis
 Posted by Picasa

4 comentários:

Anónimo disse...

Por vezes, a pena não passa levemente.
Por vezes, a pena não sorri ao passar.
Por vezes, nem leve a pena é tal o fardo de lágrimas que carrega consigo.
Mas, quando é leve a pena e sorri ao passar por nossa alma, então, deixai-a passar
Que a nossa alma, então igualmente leve, sorrirá ao seu passar
É pena que a pena nem sempre seja leve... nem sempre sorria

Fátima Henriques disse...

É lindo Eva.
Hoje é um dia muito especial : parabéns !

Anónimo disse...

Não é um comentário, mas gostaria que ficasses com este registo.
UM DIA AS PESSOAS TERÃO CONSCIÊNCIA DA DIFERNÇA ENTRE AMIZADE E CONVENIÊNCIA.
UM DIA SABERÃO AS DIFERENÇAS ENTRE O AMOR E A CARÊNCIA.
SABERÃO QUE O MUNDO É FEITO DE DUAS FACES TAL QUAL UMA MOEDA.
SABERÃO QUE NINGUÉM DÁ NADA A NINGUÉM… É MUITO SUBJECTIVO.
SABERÃO QUE OS QUE NÃO PODEM DAR, SÃO OS QUE DÃO MAIS!
SABERÃO QUE OS MAIS CARENTES DE AFECTO, AMOR, CRINHO, SÃO OS QUE NADA COBRAM!
NADA PEDIRÃO, NADA LHES SERÁ DADO, MAS NÃO RECLAMARÃO!
SENTEN-SE QUE AQUILO LHES FOI PREDESTINADO, NEM REFLETEM SEQUER!
NÃO SABEM O QUE É A AVAREZA, POIS NÃO PODEM CHEGAR PERTO DOS AVAROS.
FALTA MUITO PARA O HUMANO SE VANGLORIAR DO SEU AFECTO, CARINHO, AMOR, E SOBRETUDO SABER SER HUMANO!
Por A. Maciel, 4/12/05

Anónimo disse...

FALAVAM-ME DE AMOR
Quando um ramo de doze badaladas
se espalhava nos móveis e tu vinhas
solstício de mel pelas escadas
de um sentimento com nozes e com pinhas,
menino eras de lenha e crepitavas
porque do fogo o nome antigo tinhas
e em sua eternidade colocavas
o que a infância pedia às andorinhas.

Depois nas folhas secas te envolvias
de trezentos e muitos lerdos dias
e eras um sol na sombra flagelado.

O fel que por nós bebes te liberta
e no manso natal que te conserta
só tu ficaste a ti acostumado.
Natália Correia
O Dilúvio e a Pomba
Lisboa, Publicações D. Quixote, 1979 Natália Correia
"blogado por A. Maciel"

Subscribe