Ao longo da muralha que habitamos
Há palavras de vida há palavras de morte
Há palavras imensas, que esperam por nós
E outras frágeis, que deixaram de esperar
Há palavras acesas como barcos
E há palavras homens, palavras que guardam
O seu segredo e a sua posição

Entre nós e as palavras, surdamente,
As mãos e as paredes de Elsenor

E há palavras e nocturnas palavras gemidos
Palavras que nos sobem ilegíveis À boca
Palavras diamantes palavras nunca escritas
Palavras impossíveis de escrever
Por não termos connosco cordas de violinos
Nem todo o sangue do mundo nem todo o amplexo do ar
E os braços dos amantes escrevem muito alto
Muito além da azul onde oxidados morrem
Palavras maternais só sombra só soluço
Só espasmos só amor só solidão desfeita

Entre nós e as palavras, os emparedados
E entre nós e as palavras, o nosso dever falar.

Mário Cesariny
 Posted by Picasa

2 comentários:

Alexandrina Grande disse...

Entre as muralhas das palavras
Momentos há em que o silêncio devia imperar
Para calar palavras crúeis que arrastam consigo o ódio e a raiva e fazem sagrar
Porque essas palavras, após ditas, o silêncio não conseguirá NUNCA sarar as feridas por elas deixadas

Mystic's disse...

ha metal fundente, neste poema!

Subscribe