9.1.06

Fogo

 


Corre-me nas veias este fogo
De tanto querer.
De tanto querer romper
Criar
Descobrir
De tanto caminho querer andar que todos os tempos do mundo já não me chegam
Consome-me este fogo de tanto querer explorar e explorar-te
De tanto querer ter-te e dar-me
De tanto querer tudo o que está ali e nada do que me resta aqui.
Porque todos os tempos não chegam corre-me nas veias este fogo.
 Posted by Picasa

4 comentários:

Jota disse...

Ai de quem se atrever a entrar nesse edifício em chamas para tentar apagar esse fogo...
Qual torre gémea, vulcão ou sol ardente...
Qual quê!!!
O desgraçado vai saber o que é padecer no inferno sem passar plo purgatorio...
O que vale é que o clima em Sintra é propício a... acalmias... arrefecimentos...
Aconselho vivamente.

Cleopatra disse...

Não concordo nada...

O clima em Sintra é propício as chamas ardentes!

Cuidado Eva1

DarkMorgana disse...

Aquele fogo de que a Eva fala, não me parece que dependa do boletim metereológico...

Jorge Moreira disse...

Que belo fogo humano e na imagem!
Beijinhos,

Subscribe