13.11.05

Poema XVIII

 


Impetuoso, o teu corpo é como um rio
onde o meu se perde.
Se escuto, só oiço o teu rumor.
De mim, nem o sinal mais breve.

Imagem dos gestos que tracei,
irrompe puro e completo.
Por isso, rio foi o nome que lhe dei.
E nele o céu fica mais perto.


Eugénio de Andrade
 Posted by Picasa

3 comentários:

SABES QUEM EU SOU E SÓ ISSO INTERESSA disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
SABES QUEM EU SOU E SÓ ISSO INTERESSA disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Cleopatra disse...

Tenho este poema guardado...
Procuro uma foto para ele...
Esta é Linda...
Mas preciso de dois....

Subscribe